A importância do professor alfabetizador

A IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR By Sueli Bravi Conte Publicado Revista Imediata – Indaiatuba SP Segundo o célebre

A IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR

By Sueli Bravi Conte
Publicado Revista Imediata – Indaiatuba SP

Segundo o célebre escritor, Machado de Assis, quando um indivíduo está sendo alfabetizado ele se transforma. Não importa a idade, saber ler e escrever é libertador, já dizia o poeta.

Todo professor alfabetizador sabe que ensinar a ler e escrever nos dias de hoje envolve muitos obstáculos e desafios. São salas de aula lotadas, formações que nem sempre dão conta da realidade, desvalorização da profissão, violência, crianças não diagnosticadas que dependem de maior atenção… Mas, apesar de tudo, a alfabetização é um processo incrível.

Poder acompanhar e contribuir no processo de aprendizagem é um privilégio para um professor da Educação Básica. É bonito de ver as descobertas e as hipóteses de construção de representação da escrita, assim como é significante o reconhecimento das primeiras leituras e todo o caminho que o indivíduo deverá percorrer até a compreensão da base alfabética. Nesse sentido, todo professor deveria terá oportunidade de participar desse processo.

Mas alfabetizar é uma responsabilidade que exige trabalho árduo. Quando o aluno está sendo alfabetizado, acontece uma espécie de metamorfose, uma transformação enquanto indivíduo. O processo empodera, oferece autonomia, independência, é um fator fundamental na formação do cidadão, e ainda traz felicidade, tanto para o aluno quanto para o professor.

Faz parte do processo de alfabetizar levar a vida em sala de aula de uma forma mais leve, com alegria e sem complicações, entendendo que o bom humor e a imaginação são considerados essenciais e ótimos instrumentos de aprendizagem. Assim como o afeto é outro elemento importante da alfabetização. Acolher o aluno e sua forma de pensar, seus valores e desejos com paciência e entendendo que cada um tem seu tempo é fator fundamental.

Um bom alfabetizador entende que, em sala de aula, tudo é pretexto para aprender a ler e escrever. Dessa forma, o professor é o orientador dos caminhos da boa leitura que dará fundamentos para uma escrita perfeita.

Portanto, o processo de formação precisa ser menos idealizado e mais próximo da realidade, levando em conta a experiência cotidiana e os saberes adquiridos na prática. Para que garanta a alfabetização, o docente precisa estar qualificado em relação ao domínio dos conceitos e teorias de aprendizagens no processo de construção da escrita, assim como às estratégias de leitura. Mas como ajudar os professores a construir tais competências?

Ao elaborar um plano de formação sobre alfabetização, destaco alguns conteúdos e ações essenciais que podem ajudar no processo:

“A concepção de alfabetização, os métodos de ensino e as teorias de aprendizagem;

“A construção da escrita: hipóteses de escrita e de leitura;

“A análise de adequação das situações didáticas de alfabetização com base no conhecimento dos alunos;

“A análise da produção escrita dos alunos, identificando o que ela revela sobre o conhecimento linguístico de cada um;

“A produção de instrumentos de avaliação da aprendizagem;

“A identificação das variáveis que interferem na assimilação do conteúdo;

“A formação de agrupamentos produtivos e o favorecimento da cooperação entre os alunos;

“A seleção de diferentes materiais apropriados para o trabalho pedagógico;

“E por último, a gestão adequada da sala de aula e a organização do espaço, especialmente quando há níveis heterogêneos de conhecimento em relação ao sistema de escrita.

Contudo, ser alfabetizado envolve humanização e cidadania. É preciso empregar amor ao aprendizado e estar atento às dificuldades de cada aluno, as causas da lentidão ou maior dificuldade em assimilar as orientações. O professor alfabetizador será lembrado pelo aluno por toda sua vida, e esse argumento sozinho já é um privilégio e um prazer para um professor dedicado.

 

Sueli Bravi Conte
Mestre em Educação, Psicóloga,
Psicopedagoga, Professora, Autora e
Doutoranda em NeuroCiência